Siga-me.

15 de agosto de 2006

Desabafo...não dá prá segurar.

Vida Passageira
(Ira!)

Do alto da montanha
Ou em um cavalo em verde vale
E tendo o poder de levitar
É como em um comercial de cigarros
Em que a verdade se esquece com uns tragos
Sonho difícil de acordar

É quando teus amigos te surpreendem
Deixando a vida de repente
E não se quer acreditar
Mas essa vida é passageira
Chorar eu sei que é besteira
Mas, meu amigo, não dá prá segurar
Não dá prá segurar
Não dá prá segurar
Não dá prá segurar
Desculpe meu amigo, mas não dá prá segurar

Vou dar então um passeio pelas praias da Bahia
Onde a lua se parece com a bandeira da Turquia
É o planeta inteiro que respira
Sinais de vida em cada esquina
Tanta gente que se anima

É quando teus amigos te surpreendem
Deixando a vida de repente
E não se quer acreditar
Mas essa vida é passageira
Chorar eu sei que é besteira
Mas, meu amigo, não dá prá segurar
Não dá prá segurar, não dá prá segurar, não dá prá segurar
Desculpe meu amigo, mas não dá prá segurar
Não dá prá segurar
Não dá prá segurar
Desculpe meu amigo, mas não dá prá segurar Não dá prá segurar Não dá prá segurar ...

..............

Realmente, vou a Salvador, ver as praias..refletir nesse moinho que é a vida, que nos surpreende a cada dia com coisas inesperadas. Claro, se soubéssemos tudo que estivesse por vir, seria mais complicado ainda de administrar.
Fiquei mesmo muito mal com a morte de Márcia. Nos afastamos um pouco, mas, ja tivemos muitos momentos de irmãs mesmo. Ainda fui à igreja hoje ver a família, etc. Não consigo parar de ter sensações de choro...de vontade de chorar, porque foi tudo muito rápido... me impressiona tanto algumas pessoas ali que ainda tem coragem de falar coisas desagradáveis acerca de outrem. Me dá vontade de sumir... E de nem falar mais nisso, só sentar e chorar sua partida, a saudade e as lembranças...
Não me sai da cabeça essa música de Cartola que, mesmo sendo em um outro contexto, reflete também o que eu diria a ela...
O mundo é um moinho
Ainda é cedo amor, mal começaste a conhecer a vida...
Já anuncias a hora de partida...

Sem saber mesmo o rumo que irás tomar
Preste atenção querida, embora eu saiba que estás
resolvida
Em cada esquina cai um pouco a tua vida
Em pouco tempo não serás mais o que és
Ouça-me bem amor, preste atenção o mundo é um moinho
Vai triturar teus sonhos tão mesquinhos
Vai reduzir as ilusões a pó,
Preste atenção querida, de cada amor
Tu herdarás só o cinismo, quando notares estás a
beira do abismo
Abismo que cavaste com teus pés.

Nenhum comentário: