Siga-me.

11 de setembro de 2006

É...será de novo?

Será que não reconheço quando alguém colheu flores e aquelas flores são prá mim?
Será que minha interpretação das coisas está tão deturpada, sempre com um olhar conveniente ao meu prazer?
Será que sou tão imbecil a ponto de não sentir quando devo me retirar?
Será que sou tão idiotizada e fechada em algum mundo, que nem me permito mudar e mudar e mudar e mudar e mudar?
Será que o que estou falando a alguém não é merda pura, alimentando expectativas nesse alguém? (..quando, na verdade, o que eu quero, é exatamente o que ela está pensando que eu quero?).
Será que não estou deixando de experimentar tantas coisas por aí, por causa da minha insensatez, da minha covardia, do meu pouco tato com a vida e com os outros?
Será que estou dispensando energia às pessoas certas?
Será que fiquei triste porque sou covarde?
Será que fiquei pensativa porque eu sou feliz e não gosto de me sentir infeliz?
Será que eu não estou perdendo muito tempo em fazer essas perguntas, quando eu tenho todas as respostas?

3 comentários:

Anônimo disse...

Bingo!

Anônimo disse...

Acho que às vezes não reconhecemos as flores que nos são discretamente ofertadas; e perdemos a oportunidade de nos embeber em perfumes inimagináveis...

sua amiga cindy disse...

Wow!
Saudade, viu?
Bjx