Siga-me.

11 de dezembro de 2006

Será que aqui vão ficar em duvida também?


Sem honras de Estado, Pinochet é velado no Chile.

Milhares de chilenos se preparavam na segunda-feira para velar o corpo do ditador Augusto Pinochet, que morreu no domingo no Hospital Militar de Santiago, aos 91 anos, vítima de problemas cardíacos.
O caixão foi levado durante a madrugada de segunda-feira do hospital para a Escola Militar, onde será velado só com as honras atribuídas a ex-comandantes militares.
O velório foi aberto por volta de 10h (hora de Brasília) para que os seguidores de Pinochet se despeçam do general que governou o Chile com mão de ferro entre 1973 e 90.
"É claro que ele merece um funeral público. Acho que com luto (oficial) ou sem luto, o povo do Chile lhe dará um reconhecimento muito importante, que nós valorizamos", disse o deputado Iván Moreira, amigo íntimo de Pinochet.
Com velas, fotos, flores e bandeiras, os admiradores do ditador esperaram durante horas, cantando e rezando, pela chegada dos restos de Pinochet à Escola Militar.
"Obrigado por dar sua vida ao Chile, meu general", "Adeus, meu grande general Pinochet" diziam alguns cartazes presos às grades em um dos acessos à escola, transformadas em altar improvisado.
Pinochet morreu no domingo, rodeado por sua família, uma semana depois de sofrer um enfarto, e encurralado pela Justiça, que nunca conseguiu condená-lo pelos milhares de assassinatos políticos ocorridos durante seus regime.
"Cheguei 10 minutos depois de ele ter morrido. (Minha mãe e minhas irmãs) estavam avisadas de que a situação era complicada. Não sei se isso era esperado ou não. Ele tinha 91 anos", disse Marco Antonio Pinochet, filho mais novo do ditador, à rádio Agricultura.
O Exército informou que a partir das 10h (11h, horário de Brasília) de segunda-feira haverá orações e missas por Pinochet no salão da Escola Militar, na zona leste de Santiago. Milhares de pessoas são esperadas no velório. Em seguida, o corpo será cremado.
Cerca de 5.000 pessoas saíram para festejar a morte de Pinochet no domingo nas praças Itália e na Alameda, no centro da cidade, e também em alguns bairros emblemáticos. Um grupo de encapuzados entrou em choque com a polícia quando tentava se aproximar do palácio de La Moneda, sede do governo.

Nenhum comentário: