Siga-me.

20 de agosto de 2008

...

Para mim não existe complexidade maior do que a que sempre esbarro quando tenho que tomar uma decisão que para mim é muito simples, na minha mais pura autenticidade e coerência interior, mas tenho que dar mil explicações ao meu redor. Preciso entender que vivo em sociedade, entre pessoas. Mas, será que sou tão autocomiseradamente errada, de tal forma que não posso simplesmente acordar com vontade de ser, fazer, mudar, retomar, reviver, passar alguma coisa, sem precisar dar nenhuma satisfação a ninguém? Vou. Vou morrer sem saber a medida da liberdade. Ou melhor, da não-liberdade... O fato é ferir ou não a outrem. Chocar ou não. Trazer felicidade ou não. E isso aos outros. Liberdade...Humpf!..Viva Grenouille..cada vez mais vivas a ele.

2 comentários:

Anônimo disse...

Que maneh explicacao a nada!
Seguir sempre nossa intuicao e quem quizer q entenda ou "disintenda"!
Eu quero eh PAZ!

SAC

Q bom q vc voltoooooooou!!!!!!! :)

Nill Costa disse...

Qdo descobrir a receita... passa!!!