Siga-me.

6 de abril de 2009

...


"Eu nasci na época errada.." Ouvi isso de uma moça, essa semana, especificamente numa situação em que a maioria dos que ali estava tinha sua faixa etária, entre 20 e 25 anos. Situação em que um dos seus amigos está começando uma trajetória musical e estava encantado com a idéia de, pela primeira vez, tocar em um barzinho. O barzinho só tinha como ocupantes das mesas sua familia e amigos. Chamou seus melhores amigos e com primor e até certo nervosismo, fazia bem sua apresentação. Mas, a maioria destes amigos não prestava a menor atenção ao que ouviam. A intenção é sempre esta destes amigos do cara: beber, fumar revestir-se de uma tosca e embassada alegria, esquecendo de duas coisas principais, já disse isso em muitos textos aqui: RESPEITO e INTELIGÊNCIA. Não, acho mesmo que tem que curtir. Beber é massa entre amigos sim e rir ainda é meu melhor remédio. Essa moça é muito inteligente, assim como o cara que estava cantando. Quando falo aqui em inteligência, até pelo contexto, é sobre uma inteligência musical, uma dose certa para cada momento, mas especialmente sutis e delicados aspectos que infelizmente não são mesmo encontrados em qualquer pessoa. É ser menos um na multidão. Inteligência emocional - inteligência musical. Agora posso falar disso aqui com categoria, depois do que vi nessa noite. É triste saber que essa juventude, nessa faixa etária, hoje, não tem mesmo uma boa dose dessa sutileza. E olhe que me julgo ainda muito jovem e curto muito tudo. Sinto saudade dos meus amigos, até cachaceiros mas que num momento como esse citado, por exemplo, estariam ali, embebecidos pela musica, numa inteligencia emocional incrível. Está no cérebro mesmo, não tem jeito, repito, estão concatenados. É simbiótico, IE + IM. Estudos apontam que tudo está co-relacionado. Criação, desenvolvimento cognitivo, ambientação com gostos apurados e para coisas boas. Eu nasci no tempo certo. O que se instituiu nas minhas décadas principais como bom, está aí até hoje. O que se instituiu como ruins, também estão! Incrível isso. Nos anos 80, o que havia de ruim musicalmente falando? Hummm..creio que Gretchen, por exemplo. Gretchen é ruim até hoje. Existia o brega, que hoje é fichinha e de certa forma até se transformou em ícone brasileiro. A liberdade de expressão desenfreada, depois de uma ditadura hostil, vem trazendo, a partir dos anos 90, uma bagunça cultural infernal. Prá essa galera, ninguém sabe mais o que é bom ou ruim. Surge o Axé Music e suas porcarias (Tchan, etc), e mais uma turma. Mas os de ‘antes’ permaneceram e estão até hoje. E os de agora? Será que a juventude dos anos que virão terão que ouvir sempre porcarias? Tem muita gente boa nascendo num celeiro musical, mas, qual o berço destas criaturas e onde vão encontrar receptividade e reconhecimento? Eu nasci na época certa. Ainda bem que a música não morre, apenas acerta as pessoas certas. Ainda bem que existem moças como essa, que nasceram em épocas erradas, mas que tem IE. O cara que estava cantando no barzinho, embora tivesse ali amigos, nada pode esperar destes outros, senão aplausos inertes. Em suas cabeças vazias não há o que aplaudir. Os aplausos, então, serão direcionados ao espaço, ao tempo, a quem merece e não merece. Eu não, direcionarei sempre os meus aplausos a quem merece. Eu tenho 40 anos, aquela moça lá tem metade. O cantor também. Me resta ter esperança.

Nenhum comentário: