Siga-me.

12 de janeiro de 2010

Ins-piração.

Eu cansei um pouco de contar minhas historias, de escrever. Deve ser fase. Antes eu achava até que vivia situações inéditas sempre, que meus dias nunca eram iguais aos de todo mundo, essas coisas. Ledo engano o meu. Me considero sim alguem meio 'diferente' em escolhas, gostos, percepções, pensamentos e desejos, mas, hoje sinto que não posso ter mais a prepotente idéia de que vivo experiências únicas. Explico. Como diz o sábio Salomão nas Sagradas Escrituras, 'não há nada de novo debaixo do céu'. Tenho andado meio sem inspiração para escrever, sem inspiração para ser irreverente, sem inspiração para contar histórias, embora saiba que elas não faltam. Odeio Tv, Big Brothers, mulher faladeira, gente chata e inconveniente, que se metam na minha vida. Odeio sindrome de estádio de futebol onde todo mundo gosta de tudo igual, ouve tudo igual, saca tudo igual. Não me inspira mais saber que tenho TPM, sou meio macho quando me afrontam e quando o assunto é atitude, sou metida a besta mesmo sem ter muita grana (por isso quando eu tiver, não venha pra ca me dizer que é porque tenho dinheiro), odeio Xuxa e todos os filmes dela, coisas Pop's demais, pagodes, baixaria, arrocha, burrice, apatia, futilidade e inércia. Mas eu não sou única. Nada do que eu penso hoje, acho mesmo que seja mais algo novo, sempre me vem à mente que alguem já pensou antes de mim e tenho até inveja disso as vezes. E nada do que tambem vejo em algumas pessoas me inspira. Me chamam as vezes de louca por eu gostar de coisas diferentes sim, mas eu não acho que eu seja louca por isso. Existe gente muito mais excentrica. Ando sem inspiração pra contar historias sobre amores, porque eles já se esgotaram e hoje não vejo mais horizonte do que me seja o extremo do que possa me dar prazer. Amores muitas vezes me irritam e me entediam porque já vivi tantas historias e a inspiração pro novo não me vem. Ando sem inspiração pra escrever sobre os humanos e seus gostos, suas atitudes violentas, a degradação em proporções monstruosas a que chegaram, ando sem inspiração para contar as coisas que me trazem desesperança, porque os escritores e poetas tem sim mais inspiração para escreverem, em meio às insatisfações. Ah, ando sem inspiração porque sou chata quando o assunto é política e não consigo entender a irresponsabilidade de governantes, mas tambem de uma sociedade decandente, que prefere parar em frente à TV, perdendo seu tempo vendo "A Fazenda', ou elaborando uma coisa tão estúpida para 'entreter' mentes imbeciizadas e talvez insatisfeitas tambem com a vida, do que lendo um livro ou jogando conversa fora horas a fio com alguem interessante. Mas é uma bobagem isso tudo. Eu sou chata tambem e caretona, porque ainda respeito os outros e sou honesta, e ando sem inspiração pra falar sobre isso também. Aprendi a não mentir, embora já tenha sim mentido pra mim mesma e pra outros, na ingenuidade de 'não magoar', quando na verdade o outro precisava da minha verdade pra crescer e foda-se o ser contrariado. Eu não páro, vivo todos os dias altas historias, até porque o se jogar nas vida se tornou condição de felicidade, mas entre meus crochês e livros, e contar coisas que talvez não façam diferença pra outros, prefiro deixar isso comigo ou falar sozinha. Os choques do que vivo, pros outros, na visão de alguns, ainda me entediam tambem e aí saco que tô mesmo sem inspiração, mesmo porque só a mim interessam. Nos bares onde vou as vezes vejo tanta gente sem inspiração, sentadas trocando sorrisos tão sem graça, que a mim basta meu copo de cerveja ou batatas fritas. Aí perco a inspiração. Religião então, vixe, nem se fala. Nenhuma inspiração. Crentes e ativistas religiosos, a maioria hoje sem a menor coerencia, já passa batido em meu cerebro e corpo. Ando tão sem inspiração que nem eu ando muito com paciência pra mim mesma. Me entendo não-superficial, mas gosto de usar maquiagem as vezes. Uso roupas baratas, me orgulho e me envaideço disso. Mas tambem não me sinto inspirada por nada disso. O amor, o ódio, a moça, o moço, as viagens, as expectativas, trabalho (eu queria não ter as vezes que trabalhar, por exemplo, não vou mentir) não tem sido suficientes para me inspirarem. Tambem esse reclamar não me inspira, hoje. As apáticas atendentes nos Shoppings, as pessoas nas ruas, os adolescentes e suas tão rasas expectativas e falta de atitudes, num caos político e social em que estamos, os tapinhas nas costas, a amizade, os filmes que tenho visto, as musicas que são sucesso, as catástrofes anunciadas ou não, não..não quero mais falar sobre. Fase completamente sem inspiração...Mas, tem ali um vinho na geladeira e gosto de tomar vinho e tudo com bastante gelo dentro, pra depois mastigar o gelo, porque parece que estou mastigando cristais gelados, e comer tudo com muita pimenta, mas muita mesmo, de todos os sabores e jeitos e vou comer pão com pimenta até sentir a boca toda arder, e os ouvidos tambem por dentro. E ainda sinto que vou morrer cedo, mas é só uma intuição. Ah, tambem gosto de sexo e de tomar banho de chuva. ..ando..Ando tão sem inspiração...

2 comentários:

Ana Paula Duarte disse...

É incrível!!
Vc conseguiu inspiração da falta de inspiração para escrever!
Parabéns, texto perfeito...Todos nós passamos por isso...ainda bem, né?!
Pq assim surgem textos como esse!
Beijo.

Ademir Furtado disse...

Eu tava quase sem inspiração pra fazer um comentário, porque podia repetir o mesmo que já fiz antes, aquele de que a gente devia viver mais perto pra poder conversar pessoalmente etc etc.
Mas aí encontrei essa do vinho com gelo. Cruuuuzes, que mistura mais horrorosa!! Vai ver é isso que te tira a inspiração. Espero que não seja vinho tinto, pois aí já é sacrilégio. Mas concordo com a Ana Paula do comentário acima, fazer um texto tão bom sobre a falta de inspiração é um momento muito inspirado.