Siga-me.

28 de janeiro de 2010

Sem virgulas.

Quero mesmo fazer jus à minha doce desilusão sobre a humanidade e passar a ser um tanto ou mais ainda indiferente a tantas coisas que ainda dou uma importância que não merecem.

Nenhum comentário: