Siga-me.

31 de janeiro de 2011

..e tá morrendo.

É muito triste o vício da bebida, mas tenho nojo de bêbado chato, nojento e oportunista. Gosto muito de beber, tomar cerveja com meus amigos, mas ficar bêbada fiquei muito poucas vezes. É que quando fico bêbada passo muito mal, pressão baixa, vomito muito, estraga qualquer noite ou intenção de festa, e a ressaca é feroz. Meu primeiro porre foi depois já dos trinta anos e parecia que ia morrer. Foi uma mistura de vinho com maniçoba que me fez tomar pavor de vomitar porque estou de porre. Nós rimos muito com essa situação as vezes, eu e uns amigos, porque tenho a sorte de ter amigos muito bem centrados quando o assunto é bebida, já que bebemos, mas sabemos sempre a hora de parar. 

Entretanto, ao longo do meu caminho tive a desinsorte de encontrar pessoas que não tem a mesma relação com a bebida. Conheço seres sensacionais que depois de tres copos (ou até menos), já se transformam em seres abomináveis. Acho isso muito triste. Na verdade meu comentário nesse texto é um mero comentário egoísta. Explico. Eu não tenho paciência para pessoas que, bebendo, me destratam, são inconvenientes, são desrespeitosos até e depois se arvoram do fato de estarem bebendo para justificar suas merdas (desculpem o termo).

E pior, estragam seu dia, ou sua noite. E pior ainda: não aceitam que estão bêbados quando despertados pra esse fato. E no outro dia quando não se lembram de nada? Da energia negativa, das leviandades demonstradas, das palavras infames proferidas? E pior, mais que pior ainda, começam a ver minadas as suas boas companhias por se tornarem feios, horrorosos, nojentos, desprezíveis, maus exemplos pros filhos e família. E chatos demais pros amigos.

Meu egoísmo aqui por querer me livrar de gente assim, porque me sinto ultrajada, é fruto de lamento por alguns que conheço e que ainda não reconheceram que são doentes, porque o alcoolismo é uma doença. Doença que mata a si mesmo e aos outros que estão ao lado, nem que seja de raiva e desprezo. É uma doença séria e difícil porque o doente acha que se diverte, enquanto está apodrecendo e sendo o Bobo da Corte, sem precedentes.

Sem aprofundamentos maiores, é só isso: Depois de um final de semana sem muita bebida, vejo que tem gente que não aprende, não reconhece sua doença.. Morta de piedade por saber que alguns querem sair dessa e não conseguem, hoje, porem, estou com raiva por saber que muito chato por aí, sacana e cafajeste deveria morrer engasgado com sua cachaça, e ficar bem longe de mim.

Um comentário:

M. Kielp disse...

Estranho como vejo esse assunto exatamente com os mesmos olhos. Adorei o seu blog! Parabéns