Siga-me.

2 de janeiro de 2011

O inferno é Cabuçu.

Passei  Reveilon em Cabuçu, uma praia perto de Feira de Santana, famosa por ser a praia de Feira mesmo. Cabuçu é a maior prova de que o inferno é aqui. Gente feia, baixo astral, uma reunião de tudo que de pior se pode ter por perto: musica da pior qualidade, sujeira, poluição sonora, gente mal educada e sem nenhum princípio, muvuca exagerada, farofada, agonia. Voltei com os Hits do verão, as porcarias dos pagodes, arrochas e companhia todos no cérebro porque os trogloditas de plantão competem o tempo inteiro para ver qual carro tem o som mais potente, independente de horario e local. Acho que voltei meio down por absorver tanta energia ruim. Não tenho nem como descrever aquilo ali, principalmente no centro da muvuca, proximo à 'cidade'. É palco para um laboratório de pesquisas antropológicas e afins. Onde o Diabo se inspirou para decorar o inferno e definir a sua população. Na verdade, acho mesmo que o inferno deve ser bem melhor. Graças a Deus porque a familia com a qual passei esses dias é sensacional, transformando essa paisagem. Me fez bem sentir um aconchego familiar, com pessoas que admiro e gosto por demais. Mas é impressionante aquilo ali, e vou me poupar de detalhar sobre, já que preferi não dar tanto ibope a isso e sim a esse aconchego e festa particular, com amigos queridos, que me foram gentis em convidar e me tratar tão bem. Nem preciso dizer que se destacam ali e se diferenciam de tudo ao redor. Ando cansada de contestar e discutir sobre comportamento de classes, gostos musicais, enfim. Embora meu sentimento de impotencia tenha sido revelado ali, já que me senti uma E.T. por saber que aquela reunião de centenas de pessoas, comungando daquele inferno era algo prazeroso para elas e para mim, de jeito nenhum, não era.  E eu não podia fazer nada para mudar aquilo. Bem, sem mais detalhes...Cabuçu? Se depender de mim, em épocas de festa, Deus me livre daquele inferno.

2 comentários:

DJAMAN BARBOSA disse...

Sabe o que pensei? O que vai acontecer quando nós, os rabugentos, começarmos a implicar com nós mesmos. Rsrsrsrsrsrsrsrsrs. Ninguém vai nos aguentar.

De Tudo de Helena disse...

E quem disse que ja nao implicamos com nós mesmos? Somos os primeiros, quem sabe por isso que o grau de exigencia é maior ainda com os outros..