Siga-me.

13 de fevereiro de 2011

Amor Real.

Tolos os que ainda acreditam em amores platônicos, em dramas mexicanos de anulações de vidas em nome de amores. Eu não acredito mais, ainda bem que não acredito mais. Pra mim, os que assim se comportam são covardes, mentirosos e incompetentes, que se fazem de vítima na tentativa de arregimentar platéias em torno de si.. tudo que demonstram ser 'amor', não passa de mero espetáculo de auto-afirmação (choros, falas, melodramas). Prefiro o amor em demonstrações de coragem, proteção, aconchego, sem platéias e sem dramas. Mas é que os covardes não entendem e não conseguem alcançar esse plano.

Estão muito abaixo da expectativa do que seja viver uma vida sã, centrada, com valores focados em objetivos comuns. Estou batendo nesta tecla estes dias porque a grande e esmagadora maioria das pessoas que vejo hoje em dia ainda está esperando que algum príncipe encantado venha em seu cavalo branco. Inclusive eu. Mas o meu Príncipe hoje é bem diferente e o cavalo dele também. O caminho que ele trilha também. E vou seguir esse foco. Infelizmente é bem simples e os que não entendem acabam se perdendo pelo caminho, ainda mais quando são loucos mesmo, insanos, lunáticos, sem foco de vida, nem sequer sabem quem são, vivem vagando por aí, sem sequer reconhecer quem seja mesmo uma Princesa que mereça seu respeito e sua dedicação.

Não acredito mais nesses covardes que exalam um amor falso, já que ao menor sinal de aperto, saem por aí atirando pra todos os lados, 'tirando onda' que podem e acontecem, quando na verdade são incompetentes na arte de amar, são fracos na arte de proteger, são covardes na arte de satisfazer. Fazem as coisas para se aparecerem, na tentativa de que vejam que ele está amando e é sim um ser de valor! Ora, bolas. Ser de valor é um ser de valor ali, sentado na mesa, comendo, sozinho, sem exposição. É acordar e pensar em como fazer alguem mais feliz naquele dia. Sem estardalhaços.

Acredito no amor hoje mais que nunca, mas num amor que está lá dentro do coração, quente, na caminha, cercado de mimos e paparicos. Cercado de proteção e afagos. Amor de leoa. Amor de leão. Amor sem covardia, amor que sacrifica veladamente, toma dores sim e morre ali, do lado, ao lado. Não mais acredito nos amores platonicos. Platonizar para que se ao menor sinal de desventura está ali, desonrando o objeto do seu amor? Não. Eu quero acreditar ainda no amor que eu sempre acreditei e estava esquecendo. Ele está aqui e vai acordar...está na cama dele. Vai acordar, entre quatro paredes, entre véus. Velado. Meu.

Nenhum comentário: