Siga-me.

14 de junho de 2011

Hoje.

Ah..eu nem sei mais o que pensar... 
Só sei que tenho mesmo medo de algumas coisas, especialmente de gente, de relações, de entregas eufóricas e intensas, mas que se tornam efêmeras, fazendo sofrer. 
Também de quando tudo evolui, invade o tempo e depois acaba também, matando sonhos, dilacerando planos, rasgando corações e fazendo sofrer mais ainda. 
Sim, eu, comigo mesma, só terei saldos de medos comigo mesma. 
Isso é melhor prá mim, mesmo pagando algum preço, valores racionais.
Tantos que querem andar a dois e eu não quero, por meus medos.  
Amar  é um dom, andar a dois não é pra todos. 
E se estou feliz assim, por que mudar?
Só para provar de novo que consigo amar e conviver com outrem?
Isso eu já sei.
Amar a mim mesma somente é menos sofredor. 
Ao menos, hoje.

Nenhum comentário: