Siga-me.

1 de julho de 2011

Sua vadia!

Mulheres são violentadas, abusadas e ainda sofrem violência sexual no Brasil. Opa! Sou mulher, já cansei de estar nos bancos acadêmicos, sou muito bem informada, leio exageradamente e sou contra o machismo, em termos, já que, antropologicamente, o machismo tem lá seus pontos confortáveis. Ãhã. Engulam isso e quem estudar só mais um bocadinho vai saber do que estou falando. Mas eu não quero ser 'vadia'. Nunca quis. Ao menos na rua. Nunca precisei me arvorar de nada além do que tive em minhas mãos para poder fazer um bom sexo ou seduzir alguém, quando o assunto é sexo e relacionamentos, claro. Pernas de fora, peito de fora, e outras artimanhas femininas para conquistar e atrair um macho? Se já usei, foi realmente sem a menor intenção para tal. Juro.

Mas isso sou eu. Me considero já bastante satisfeita nesse quesito e não vou precisar ir pra marcha de vadia nenhuma para impor aos machos o respeito por mim, nem a ninguem. Mesmo porque eu não gosto de andar nua na rua, nem preciso impor a ninguém meu direito de trepar com quem eu quiser, empunhando uma porcaria de um cartaz no meio da rua.

Ah, mulheres, como as mulheres estão enganadas. Li no Facebook de uma moça meio metidinha a 'prafrentex' a propaganda dessa tal marcha, dizendo que ela tinha o direito de dar pra quem ela quisesse, tinha o direito de trepar com quem ela quisesse e que queria ter o direito de andar com roupas curtas e do jeito que quisesse na rua, sem se sentir ameaçada e ser estuprada. Hein? Como assim? Eu serei estuprada se eu me colocar em situação de risco, copiado? Ela não teria que lutar contra a violência contra as mulheres? Ela ta comendo cocô? Quem é que violenta a mulher? É o cachorro, é o gato? Não, é o macho! É uma discussão apurada, séria, abusrdamente mais séria do que só a de querer dar pra quem quiser, ô, antinha!

Serei violentada (ou violentado) se eu estiver em lugares ermos, se eu vestir sim roupitchas que provoquem o tal psicopata e sociopata, doente, certo? Ou não! Quanto a dar e trepar com quem quiser. Hoje em dia alguém ainda tem essa necessidade de pavimentar essas afirmações? Não acredito! As mulheres estão confundindo as coisas.

E estou mesmo colocando assim 'as mulheres', porque eu não gosto de nada que seja muito mulherzinha. Odeio tudo que a maioria das mulheres gostam, embora goste de homens (risos). Creio que tudo passa por uma consciência de saber onde pisam, saberem a capacidade de sedução sem precisarem de algumas coisas que só vão torná-las piores do que já estão sendo vistas por aí. É, porque eu não vejo graça nenhuma em lutar por uma causa dessas. Não tenho saco nem mais tempo pra isso, num tempo em que bunda, peito, sexo e etc são tão fáceis por ai.

Pra que eu quero sair na rua de shortinho curtissimo? Me diga aí..PA-RA-QUE? Pra seduzir? Por causa do calor? Pra que eu preciso que o marginal estuprador me veja de biquine ou de sobretudo e não me estupre, se ele é doente e precisa é de um profissional que cuide dele e eu que tenho mesmo que me proteger porque ele é o doente e não eu?

Peraí, vadias. Peraí mulheres! Ser vadia agora é status, então? Pejorativamente, vadia é puta, certo? Mulher é bicho louco mesmo, porque defende as prostitutas, quer andar como elas, depois, quando vê seu marido com uma amante, a primeira coisa que faz é xingar a amante de que?? De puta!

Minha intolerancia habitual (e isso não tem nada a ver com meus 43 anos, desde que me entendo por gente sou assim), não permite que aceite que, ao inves de se preocuparem com seus machos, com suas conquistas mais produtivas, com suas cabeças pensantes, com seus avanços profissionais, com amores que valham a pena, com o país que está em petição de miséria ética, estão aí querendo marchar, achando que serem chamadas de vadias é o que há!

Ah, deixem de vadiagem e vão trabalhar, isso sim! Vão costurar e lavar suas próprias roupas como eu faço. Vai procurar trepar bem trepado com um macho que dê valor a você, mulher, seja você gorda, alta, baixa, feia, dentuça, anã, vestida ou nua. Vá pra rua feliz, debaixo do sol ou da chuva, mas vá com sua consciência de cidadania, sem se preocupar com sua saia, se está curta ou comprida (eu adoro saia curta e odeio saias compridas). Vá votar direito. Vá ser ética nas suas relações. Vá tomar cerveja com seus amigos e rir das mazelas da vida, sem se preocupar com diabo de vestimenta ou se está ali pra seduzir a população masculina em peso!

Eu não quero ser vadia na rua, posso até ser na cama, com alguém que vai sim me ver do jeito que eu sou e a arte do se doar sexualmente não é pra todas. Estas que vão pra rua ou batem tanto no peito por essa causa na certa são fraquinhas de cama ou sequer sabem o que querem ainda (olha eu julgando..tsk, tsk, tsk). Quero continuar a ser cidadã, amante, mulher normal. Ja sei do meu direito de trepar com que eu quiser, de usar roupa curta, comprida, apertada, justa, folgada ou o que for. Mas vá, mulher, vá lá pra marcha das vadias com essa titica de galinha na cabeça, sem lutar pela causa certa que é contra a exploração e violencia contra voce mesma. Enquanto você tá la eu to aqui trabalhando, votando certo e na cama com meu macho. Lá eu adoro ser vadia.

Nenhum comentário: