Siga-me.

8 de setembro de 2011

Película.

Há sempre tempo de recomeçar, mas não vamos mais nos enganar. Há o tempo que é bom e o tempo que se faz mal. Há as ervas venenosas que matam lentamente e não há mais o que fazer senão sentar e esperar o tempo passar e filmes novos virem à tona para serem feitos. Há sempre tempo de recomeçar, as coisas mudam e se renovam. Tudo se transforma e o sensível sabe quando deve aproveitar as oportunidades.

O quanto eu sei de mim? Sei o suficiente para assistir aos filmes que passam na minha cabeça, separando os personagens. Alguns protagonizam ainda cenas marcantes, outras cenas ficam em preto e branco. Em outras, os personagens viram meros coadjuvantes. E eu me reconheço em todas as cenas, sem cortes.

Mas o filme passa, desde o seu início, até o final. No THE END todos sempre choram no final, é assim mesmo. Há sempre sofrimento, quando os filmes não tem aquele final esperado, de dois mocinhos serem felizes para sempre mas não deixam de ser filmes. De ação, romances, ficção, enredos mirabolantes, com cenas cruéis e aparições incríveis de personagens também especiais.

Há sempre tempo de recomeçar, mas em filmes não. Os filmes acabam. Só se pode as vezes aproveitar os mesmos atores quando a história é remontada. E nesse remake, tem que ser tudo, mas tudo diferente. Cenário, enredo, finais. E eu fiz isso. Queria remontar um filme diferente, mas infelizmente os personagens principais não eram mais os mesmos e tudo fracassou.

Há sempre tempo de recomeçar, mas agora, é o tempo de começar a montagem de outro filme, quem sabe numa história também diferente, com atuações mais inteligentes e mais sensacionais. Só há um filme que não pretendo que seja esquecido, embora o limite já esteja traçado entre vida e morte: é o da minha própria história. Ela não vai acabar. Não vai ter THE END. Quero deixar registradas aqui ações, sorrisos, atuações e grandes movimentos que sejam eternamente lembrados, até quando as luzes se apagarem. Eu não vou estar aqui para ver esse filme, mas os que me amam de verdade vão estar..e sempre quando se lembrarem, vão aplaudir.

Nenhum comentário: