Siga-me.

5 de setembro de 2011

SerDois.

Eu peguei você no colo, acalentei, disse, vem, vem comigo, fica aqui, dentro de mim. Vem ser dois e não mais só um, nem só uma. Cala sua boca e só sossega. Encosta sua cabeça no meu peito e dorme, tranquilo, calmo. Desacelera. Acalma seu coração, fecha seus olhos doídos e vermelhos. Vem comigo sentir o que eu sinto, pára um pouco e fica aqui, no cemporcento dois, porque eu preciso e você também. Eu disse isso por ter certeza que conseguiria suportar seus enjoos, suas vertigens, seus desencantos. Abri meu coração como você tanto me pediu que fizesse e você passou longe. Já estava lá longe, com o orgulho de todo ser humano e me fez acreditar menos ainda no duo. Dos seus cantos tentei tirar o pó que estava escondido. Das entrelinhas do que você dizia eu lia textos enormes e infinitamente belos, poéticos até. Brincávamos de esconde-esconde. Gostava das brincadeiras em que nos fingíamos de mortos, das risadas soltas, sem sentido. E eu disse, fica. Fica aqui comigo porque eu preciso e você também. Deixei sim você voar. Você voou, voou e voltou, com as asas cortadas. Eu segui seus passos até onde pude e persegui sua sombra. Você não pode mudar? Não pode parar de correr? Só eu tenho que aceitar você como é, humano e só? Você cercou meus sonhos e depois me acordou, numa madrugada chuvosa e fria. Não ouvia eu lhe chamar, nem eu te ouvia. Não sabia mais quais eram as minhas mãos e as suas só tateavam na escuridão do orgulho. Não havia mais humildade em seu olhar e o seu pedido de que eu falasse coisas de amor agora era lançado sobre mim como uma culpa. Eu devia ter ficado calada de não ter atendido aos seus apelos de certezas. Os tapetes voadores das brincadeiras não estavam mais ali e não sabíamos mais galopar nos cavalos das ilusões. Todo o seu cansaço se esgotou quando você se viu nas alturas e eu só queria que você ficasse ali, no meu colo, quieto, dormindo, tranquilo. Quis muito me sentir numa caverna escura, protegida, sem medo de nada, mas você só sabia correr. E eu não. Eu queria menos. Queria só a delicia de ser dois.

Um comentário:

marcio disse...

FODA LER ISSO NA MINHA FRENTE!