Siga-me.

3 de novembro de 2013

Educare.

Dar sempre satisfação às pessoas que lhe fizerem um convite, caso não possa estar presente. Não deixar comida no prato em excesso, mas também não raspar todo o prato. Postar os talheres em diagonal no prato após acabar a refeição, indicando que terminou de comer. Quando alguém lhe pedir um palito de dente, um guardanapo, passe todo o paliteiro ou o porta-guardanapos para a pessoa. Espere o 'chefe' da casa ou os donos da casa começarem a se servir, para depois servir seu prato. Retire seu prato da mesa, se ofereça para ajudar a limpar as coisas, seja prestativo e tenha iniciativa, sempre. NUNCA vá à casa de alguém sem avisar, ainda mais numa época com tantos meios de comunicação. Quando chegar em um lugar com pessoas conhecidas e outras não conhecidas, cumprimente os conhecidos, mas os não conhecidos também!


Quando for se levantar da mesa ou de qualquer ambiente aonde estiverem outras pessoas conhecidas (e principalmente com pessoas 'mais velhas'), em qualquer lugar ou situação, peça licença. Quando for entregar algum talher para alguém, entregue pela parte do cabo apontada para a pessoa, isso é um indicativo de muito boa educação. Se for dormir na casa de alguém, assim que levantar, arrume a cama. Não jogue, em hipótese alguma, lixo no chão, na rua e se sujar alguma coisa na casa de alguém, limpe.

As pessoas hoje não se preocupam mais com nada disso. É tudo exagero. 'Bons modos' é coisa de gente careta, antiquada, 'velha'. Vejo crianças a cada dia mais mal-educadas, sem modos, desrespeitosas, desde pequenas, justamente porque hoje é 'bonitinho' ver as crianças, pubescentes, adolescentes ou jovens (e adultos) mal educados. Eu realmente fui uma privilegiada de ter tido a mãe e o pai que tive. Mas é muito cruel você ser sempre refém de uma boa educação. É, refém. Porque identifica mais facilmente quem não é educado e a discriminação é fatalmente explícita, muitas vezes. 

Abro os dentes e meu semblante muda quando vejo alguém demonstrar hoje em dia uma educação como a que tive. Ao contrário também. Crianças, então, nem se fala. E NUNCA deixei de brincar, ser feliz, pintar e bordar. Mas, para minha mãe, respeitar aos mais velhos, dar bom dia, cumprimentar as pessoas com educação, se comportar nos lugares, era premissa básica de se tornar um adulto educado. Pais, seus filhinhos não vão morrer se passarem meia hora sentados em um ambiente aonde tenham que estar caladinhos, sentadinhos e em silêncio. Eu ficava pelo menos 2 horas na igreja ao lado da minha mãe e nunca morri. Se tinha sono, deitava no colo dela e dormia, mas JAMAIS podia ficar correndo na igreja, conversando, andando, na igreja ou em qualquer outro evento. Exagero? Nada, hoje vejo que era apenas minha vida que estava em formação e minha família sabia disso. 

Crianças precisam de limites, dos 'nãos'. Assim aprendemos a ser mais pacientes, talvez, quando tivermos que esperar por algo ou por alguém. Papais e mamães, hora do almoço, café, jantar, é hora do almoço, café e jantar. Não é hora de mexer ao celular, computador ou qualquer outra coisa. Vejo hoje a criança jogando ao celular na hora do almoço, a mãe se descabelando para faze-lo se concentrar e se alimentar bem, mas nunca consegue. Restaurantes não são a casa de vocês, ali existem outra pessoas comendo e não custa absolutamente NADA o seu filhinho ou filhinha ficar sentado comendo, enquanto TODOS comem e se alimentam também. Na nossa casa a hora das refeições eram sagradas e com meus filhos não foi diferente. Hora de comer é hora de comer e discussões e etc, tinham que ser deixadas para depois.


Ou eu sou paranoica ou, o me incomodar em ver uma pessoa passar na rua gritando para outra que está a menos de 10 metros dela é realmente falta de educação, mas ninguém, além de mim, se incomoda (minha mãe dizia que gritar é falta de educação, já que a gente pode ir até a pessoa e falar, próximo a ela, além de incomodar aos outros). Sou mesmo paranoica  respondo a e-mails, telefonemas, dou satisfações. Repassei aos meus filhos tudo que aprendi e colho os frutos disso. Não, eu preciso ter educação, ao menos isso, para conviver nesse mundo que já é cão.

Claro que há uma lista enorme de coisas, comportamentos, atitudes que devem ou não rolar, nesse movimento de ser ao menos bem educado, mas, quem quiser um manual, venha me pedir, pode me perguntar. Me orgulho muito de ter esse manual na memória e praticá-lo. Só me faz bem e me ajuda a entrar e sair dos lugares. Se está aí rindo e achando isso uma bobagem, uma besteira, uma paranoia  desculpe, você não foi filho dos meus pais. Dê graças a Deus por isso e continue a reproduzir esse mundo que, por certo, para você, está cada vez melhor.

Nenhum comentário: